Empreendedores com Foco na Comunidade à Frente na Resolução da Crise de Notícias Locais

Empreendedores com Foco na Comunidade à Frente na Resolução da Crise de Notícias Locais

Texto de autoria de Dan Kennedy, para o site State of Digital Publishing, originalmente publicado em 06 de março de 2024.

A crise das notícias locais levou a uma série de propostas de políticas, iniciativas de financiamento e veementes denúncias para o dano causado ao jornalismo por entidades como Craigslist, Google e Facebook.

As ideias para responder à crise incluem o pagamento de recém-formados em jornalismo com receitas de impostos estaduais para cobrir comunidades carentes, como na Califórnia; a exigência de que agências estaduais direcionem metade de seus gastos com publicidade para a mídia comunitária, como foi proposto em Illinois; e a criação de créditos fiscais que beneficiariam assinantes, anunciantes e editores, tema de várias iniciativas federais e estaduais.

E esses são apenas alguns exemplos.

Embora todos eles tenham algum mérito, compartilham um defeito fundamental: são soluções de cima para baixo para problemas que variam de uma comunidade para outra.

Há um ditado antigo que remonta ao período dos primeiros dias das notícias digitais locais: o que é local não escala. Na verdade, eu argumentaria, a verdadeira solução para a crise das notícias locais precisa vir de baixo para cima – de pessoas no nível da comunidade que decidem tomar as necessidades de notícias e informações em suas próprias mãos.

Os exemplos variam desde operações relativamente grandes, como o The Colorado Sun, um startup digital fundado por 10 jornalistas do Denver Post frustrados com as depredações do proprietário do Denver Post, o fundo de hedge Alden Global Capital, até pequenas organizações como o Sahan Journal, um projeto baseado em Minnesota que cobre a crescente diáspora africana do estado.

Reinventar o jornalismo comunitário na base é o tema de “What Works in Community News: Media Startups, News Deserts, and the Future of the Fourth Estate” (“O Que Funciona em Notícias Comunitárias: Startups de Mídia, Desertos de Notícias e o Futuro do Quarto Poder” em tradução livre), escrito por Ellen Clegg e por mim. Clegg, aposentada de posições de edição sênior no The Boston Globe, é cofundadora do digital sem fins lucrativos Brookline.News e leciona jornalismo na Universidade Northeastern e na Universidade Brandeis. Eu sou professor de jornalismo na Northeastern e autor de dois livros anteriores sobre o futuro das notícias.

Essa iniciativa examina cerca de uma dúzia de projetos em nove partes do país. O que eles têm em comum é uma liderança dedicada no nível local – jornalistas empreendedores que estão desenvolvendo novos modelos de negócios em tempo real.

Uma crise crescente

Não há dúvida de que a crise das notícias locais é real e está crescendo. Segundo o relatório mais recente do Local News Initiative, sediada na Escola Medill da Universidade Northwestern, quase 2.900 jornais, na maioria semanais, fecharam desde 2005. Isso representa cerca de um terço do total.

Os noticiários semanais tradicionalmente serviram como o coração pulsante do jornalismo comunitário, cobrindo o governo local, escolas e questões de bairro – sem mencionar assuntos mais cotidianos, como casamentos, nascimentos, mortes e atividades juvenis que podem ajudar a unir os vizinhos.

Uma infinidade de pesquisas sugere que as comunidades que perdem sua fonte de notícias local sofrem de uma variedade de males. A participação eleitoral diminui. Menos pessoas se candidatam a cargos políticos. Há até o que poderíamos chamar de um imposto de corrupção, já que os políticos locais que tomam dinheiro emprestado para construir, digamos, uma nova estação de bombeiros ou uma escola secundária, têm que pagar uma taxa de juros mais alta em lugares sem jornalismo comunitário confiável.

Talvez o mais perturbador seja que os consumidores de notícias agora alimentam seu hábito com comentários indignados de veículos nacionais divisivos, especialmente a TV a cabo, o que, por sua vez, ajuda a piorar o problema da polarização partidária que está nos destruindo.

Pessoas que frequentam reuniões do conselho escolar deveriam estar discutindo sobre notas e salários de professores. Em vez disso, estão frequentemente gritando com seus amigos e vizinhos sobre controvérsias impulsionadas pela Fox News, como restrições da COVID-19, teoria racial crítica e livros que querem banir.

Então, como uma comunidade sem um veículo de notícias adequado poderia atender às necessidades de seus residentes?

Empreendedores tomam a iniciativa

O que aconteceu em Bedford, Massachusetts, é instrutivo. Um subúrbio com cerca de 14.000 pessoas localizado a noroeste de Boston, a cidade já foi lar de um jornal semanal chamado Bedford Minuteman. Esse semanal, outrora robusto, havia sido reduzido até 2012 pelo seu proprietário corporativo, GateHouse Media, que mais tarde se fundiu à Gannett, a maior cadeia de jornais dos EUA.

Três membros da League of Women Voters que vinham monitorando o governo local e relatando aos membros perguntaram a si mesmos: Por que não escrever isso para o benefício do público?

Assim nasceu The Bedford Citizen, um dos projetos que destacamos em nosso livro. Ao longo dos anos, o site sem fins lucrativos cresceu de uma operação totalmente voluntária para uma organização de notícias profissional, financiada por iniciativas que vão desde taxas de adesão voluntária até um guia anual brilhante repleto de publicidade e enviado pelo correio para cada domicílio na cidade.

Hoje, o Citizen tem um editor em tempo integral, um repórter em meio período e freelancers pagos, além de um contingente de colaboradores não remunerados. O Minuteman, por sua vez, desapareceu e foi fechado em 2022 sob a propriedade da Gannett.

Nos últimos anos, centenas desses projetos surgiram, tanto sem fins lucrativos quanto lucrativos. Há o suficiente para compensar os vários milhares de jornais que fecharam e continuam a fechar? Não. Mas Clegg e eu estamos otimistas quanto ao crescimento contínuo das notícias locais independentes.

Fonte: AuroraNews

Ediomário Catureba | DRT 8484-BA

Comunicador, responsável pelos sites www.catureba.com.br e www.baixagrande.net
Social media & sharing icons powered by UltimatelySocial