Projeto leva grupo de adolescentes e jovens a intercâmbio em escola agrícola de Ruy Barbosa

Projeto leva grupo de adolescentes e jovens a intercâmbio em escola agrícola de Ruy Barbosa

Um grupo de adolescentes e jovens conheceu de perto, neste sábado (21), o sistema agroflorestal, em que as plantas são cultivadas em harmonia e cuidado entre as espécies, num caminho de preservação de biomas. A vivência foi conduzida pelos professores monitores na Escola Família Agrícola (EFA) Mãe Jovina em Ruy Barbosa, na Chapada Diamantina, Lucas Matos e Iomar Santana.

Diferente da monocultura que se reduz apenas a um tipo de plantação, o sistema agroflorestal integra diferentes plantações num único espaço.

Os intercambistas da Bahia e de Sergipe conheceram de perto diversas tecnologias sociais que contribuem no desenvolvimento sustentável no âmbito da agricultura familiar. Um dos espaços destacados foi o tanque de equalização, em que é feito parte do tratamento para o reuso da água que é utilizada na escola e volta para a utilização nas plantações.

“Está sendo uma experiência ótima. É interessante perceber de perto o manejo de vegetações porque em Sergipe os biomas são diferentes, mas a vegetação é muito parecida. Mesmo aqui tendo um clima mais seco, percebemos que eles conseguem cultivar plantas comuns aos biomas. O intercâmbio é uma troca muito boa e valiosa, onde podemos conversar sobre as experiências de nossas comunidades e suas semelhanas e diferenças.”, destaca Kemili Rodrigues, do Território Quilombola Brejão dos Negros (SE).

“Está sendo muito boa a experiência. É algo que levarei para minha vida, sobretudo o cuidado e as formas de manejo com as vegetações e o meio ambiente, bem como o modo como reutilizam a água para uso no próprio cultivo.”, acrescenta o educador social e jovem aprendiz da Acopamec, Lucas Bonfim, de Salvador (BA).

“A Cáritas é uma das principais responsáveis pela implementação de tecnologias sociais no Nordeste, sobretudo na região do Semiárido.”, como lembra o professor Iomar Santana.

O grupo também conheceu o sistema de Produção Agroecológica Integrada e Sustentável (PAIS). Nele, são integrados animais, plantas de menor porte (hortaliças) e de maior porte (frutíferas), num processo interligado com canteiros circulares. A iniciativa precursora é exemplo e tem sido implantada em outras escolas Bahia afora, reforça Iomar.

O Intercâmbio de Juventudes segue até domingo (22) em Ruy Barbosa com uma programação que inclui rodas de conversa, vivências e trocas de experiências entre adolescentes e juventudes presentes que representam os estados da Bahia e de Sergipe, nos mais diversos municípios.

Escola Família Agrícola (EFA)

A experiência das EFAs começou na França em 1935 e chegou ao Brasil em 1968, no Espírito Santo (ES). Na Bahia, a primeira EFA foi fundada no município de Brotas de Macaúbas e hoje o estado já conta com 36 unidades escolares do tipo. No Brasil, são pelo menos 150 EFAs. A metodologia de ensino é baseada na pedagogia da alternância, em que os estudantes passam um período em casa e outro na escola.

Na unidade escolar que oferece o curso profissionalizante de técnico agropecuário, os alunos participam de 7 a 8 aulas por dia, além de atividades de campo acompanhadas por monitores (nomenclatura utilizada para designar o papel do professor). A formação é integral, de modo que além das disciplinas os jovens são acompanhados dentro e fora da escola em seu desenvolvimento, num ambiente familiar e de cuidado.

Fonte: www.ruybarbosanoticias.com.br

Catu Informática ME

Social media & sharing icons powered by UltimatelySocial