Nova Fátima – BA: Médica Cubana que ficou na cidade após fim do programa “Mais Médicos” relata dificuldades

Nova Fátima – BA: Médica Cubana que ficou na cidade após fim do programa “Mais Médicos” relata dificuldades

A médica cubana Mariela Ambruster Almenarez que atualmente mora na cidade de Nova Fátima, está vivendo o oposto do que sonhou quando entrou para a faculdade de medicina em 1993, na época ela pensava em Realizar consultas e atendimentos médicos; tratar pacientes; implementar ações para promoção da saúde; coordenar programas e serviços em saúde, efetuar perícias, auditorias e sindicâncias médicas; elaborar documentos e difundir conhecimentos da área médica, ou seja, atividades normais de um médico.

Mariela nasceu na cidade de Santiago de Cuba, se formou em medicina em 1993, más a falta de oportunidades em seu país lhe trouxe ao Brasil em 2013 como parte do Mais Médicos, programa lançado em 2013 pela então presidente Dilma Rousseff (PT) com o objetivo de ampliar o acesso à saúde básica em áreas carentes e remotas do país, na época mais de 18 mil médicos cubanos atuaram em mais de 4 mil municípios do Brasil. Mariela trabalhou em Nova Fátima de 2013 a 2016 como médica da atenção básica e realizava entre 300 e 350 consultas por mês.

Com a entrada de um novo governo, em 2016 vieram as dificuldades e a falta de atenção ao programa mais médicos, em 2018 o governo de Cuba anunciou sua saída do programa Mais Médicos alegando “declarações ameaçadoras e depreciativas” de Jair Bolsonaro, recém-eleito presidente da República. Cerca de oito mil médicos voltaram para a ilha caribenha nas semanas seguintes e deixaram descobertas áreas periféricas e vulneráveis do Brasil.

Mariela não quis retornar a Cuba e permaneceu em Nova Fátima, cidade que escolheu para morar, más desde 2016 não consegue uma colocação na sua área de trabalho, isso porque o governo não reconhece Diplomas de outros países, a não ser pelo o Revalida, uma espécie de exame para regularizar o diploma de graduação em medicina conseguido fora do Brasil, segundo Mariela, ela já se inscreveu várias vezes, más tem uma única reposta, de que todas as vagas já foram preenchidas por brasileiros que fizeram faculdades em outros países, inclusive no edital de 2017.

Com experiência de quase 30 anos como médica, Mariela relata dificuldades financeiras para manter a família aqui no Brasil, ela diz estar em uma situação precária: não podem praticar medicina nem conseguem outro tipo de emprego.

“Antigamente, nos viam como deuses, hoje nos veem como um nada.” É assim que a médica cubana Mariela resume a reviravolta que viveu. Ela disse que tem recebido propostas para trabalhar como doméstica para ganhar cerca de 10% do que ganhava como médica no Mais Médico, segundo ela, além de ser uma desvalorização de sua profissão, é também muito pouco pra se manter, e procura um emprego na área de saúde.

Até a chegada dos cubanos, o Brasil tinha mais de 400 municípios sem nenhum médico cadastrado no Sistema Único de Saúde (SUS). Mais de 1,5 mil dependiam de um esquema de rodízio, em que o médico atendia, no máximo, duas vezes por semana.

Com o programa, de uma hora para outra, esses municípios passaram a ter profissionais atuando de segunda a sexta-feira, de manhã e à tarde.

Após a expulsão dos cubanos, em novembro de 2018, o Brasil retrocedeu praticamente ao cenário anterior ao lançamento do Mais Médicos, com 40% da população descoberta.

Segundo a Supervisora do Mais Médicos em São Paulo, Célia Medina uma das incumbências dos cubanos na pandemia seria contrapor o negacionismo e as fake news espalhadas pela cúpula do governo Bolsonaro e seus apoiadores. Ela acredita que o avanço das pesquisas sobre a pandemia no Brasil permitirá até quantificar as mortes que seriam evitadas caso os profissionais da ilha caribenha não fossem expulsos.

“Depois da saída dos cubanos, voltamos a ter mais de 1,5 mil municípios sem médico. Imagina o médico cubano nesses lugares, com todo o vínculo que eles desenvolveram com essas populações, explicando para essas pessoas a forma de transmissão da doença e como se proteger”, diz.

“Com certeza, nós perdemos muito ao atravessar a pandemia sem esses médicos.”

A Supevisora chama atenção para a bagagem que os profissionais cubanos traziam de seu país, onde a medicina de família é mais valorizada que qualquer outra especialidade.

“Esses médicos tiveram muitas experiências em outros países. Trabalharam na epidemia de ebola, na África, no controle de um surto importante de cólera, muitos que eu acompanhei estiveram na Amazônia venezuelana. Então, além da formação, eles têm essa experiência importante pelo mundo afora, enfrentando condições bastante difíceis”, reforça.

“E o médico cubano, na faixa etária de 30 a 60 anos, já cresceu dentro do regime socialista cubano, uma sociedade sem classe. Isso marca muito essa geração de jovens, então é normal nesses médicos terem um espírito de fraternidade e solidariedade, porque isso é muito forte na sociedade cubana”, acrescenta a supervisora do Mais Médicos.

Antes de vir ao Brasil, os profissionais cubanos passaram por uma formação específica. Disse Célia Medina.

Mais de 2.500 médicos optaram por permanecer no Brasil e Mariela Ambruster Almenarez está entre eles, a mãe de três filhos e avó de três netos continua a procura de uma colocação profissional em prefeituras, Clínicas ou Unidades de saúde.

Fonte: Goby Rios

Ediomário Catureba | DRT 8484-BA

Comunicador, responsável pelos sites www.catureba.com.br e www.baixagrande.net

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Social media & sharing icons powered by UltimatelySocial